A estupidez contra valores democráticos: Eu sinto muito Jean!



Desculpe o desabafo, meu amigo leitor, mas o momento exige posicionamento! 

Bastou que o Deputado Jean Wyllys (PSOL RJ), divulgasse que está de saída do país para preservação da própria dignidade física, para que as redes sociais fossem inundadas de textos, memes e vídeos, afirmando o que há de mais sombrio na nova cultura política nacional. 
O pior é que nem mesmo a família do presidente da república, nos polpou de demonstrar o próprio regozijo com o volume tóxico que se dissemina neste instante, contra um parlamentar que afirma exilar-se para manter vivo, diante das graves ameaças de morte que tem recebido. 
Não menos empolgado que o próprio filho, o presidente apressou-se em celebrar: Grande Dia! dizia ele, para mais tarde recuar e afirmar que a polêmica em torno de sua declaração é produto de distorção, por parte dos adversários políticos. Na verdade, afirma, celebrava o sucesso obtido no Fórum Econômico, em Davos, questionável para qualquer expectador do seu pífio discurso na ocasião. 

Falando honestamente, muito embora tenha concordado com pautas do mandato de Jean, em muitas ocasiões também reprovei. Da mesma forma que também o fiz com posicionamentos absurdos dos não menos polêmicos Marco Feliciano, e o próprio Jair Bolsonaro, apenas para exemplificar. Mas daí a celebrar que desista da missão que lhe foi conferida na urna, por medo do ódio reinante no país, que lhe ameaça até mesmo a vida? É impensável! 

E se é impensável a um cidadão comum, imagine só, vindo de um chefe de Estado. Se um parlamentar está se exilando para proteger a integridade física, qualquer chefe de estado decente, estaria exigindo imediata apuração dos fatos, para afirmar princípios do Estado Democrático de Direito. Mas o que acontece aqui é bem diferente! Aparentemente, o presidente, agindo como se tivesse idade mental de 12 anos, brinca de ficar de mal via Twitter, incentivando uma multidão composta de milhões de ignorantes que o seguem animados, no discurso do ódio. 
Celebrar que um parlamentar (representativo de milhares de pessoas que o elegeram, precisamente 24.245 no RJ, e tantos outros que se beneficiam da sua pauta em todo o país.) tenha que buscar exílio por estar sendo gravemente ameaçado de morte, é perder o senso de Estado Democrático de Direito. Hoje é com ele, amanhã, quem sabe, não seja a sua opinião a que incomode, ou a minha? Você está simplesmente reconhecendo a legitimidade da ameaça de uma “pena de morte” em razão de um “crime de opinião”, que aliás, nem é crime! 

Comemorar isso é perder a essência do convívio social humano, em favor da sua opinião política. 

Não sei como você pode ser irônico em relação à isso, considerando que este é um país, cujo homicídio de uma vereadora de uma das maiores metrópoles, ainda não foi esclarecido, e pelas recentes informações, pode até envolver poderosos políticos nacionais. 


São tempos de completa inversão de valores, em que a sede por estar com a opinião certa em relação à qualquer assunto, de repente, ficou maior e mais importante que a proteção da vida e da liberdade de expressão e opinião!.  

Comentários